sexta-feira, março 24, 2006

A história de alguém...(Ale - 24/03/2006)


Vou lhe falar de um alguém
Um alguém diferente de tantos outros, mas ao mesmo tempo, comum
Esse alguém tem seu jeito próprio
Inesperado, ou não.
Não mede esforços para chegar aonde quer
E por muitas e muitas vezes ele chega de uma forma brusca
Repentino e ágil, ele mostra o seu tamanho perante os demais
Aparentemente manso, porém ligeiro!
Cativante, ele domina sem sequer se esforçar
Com sua mania de o conduzir por lugares desconhecidos ele encanta
E quando daí então você chega na imensidão de sua força e beleza
Ele simplesmente lhe fita os olhos e diz: Adeus! Preciso ir, mas deixarei com você, como uma forma de retribuir
A saudade e a tristeza
Daí então você chora, você implora e você se desespera...
E ele?
Nem aí...
Um belo dia, você cansada e infeliz, ele aparece
Daí lhe diz: Oi, eu acho que lhe conheço! Você o olha no fundo dos olhos e sente que já o viu, mas não se lembra. Porque dessa vez ele chegou bem diferente, de outra forma. Sem pressa ou violência!
Sereno, suavemente ele se aproxima
e cativante como sempre foi, ele domina
Senta-se ao seu lado e contempla o céu
Já não lhe leva mais em lugar algum
Ali mesmo, lhe mostra o infinito
E você diz: Com toda certeza, é sem dúvida o mais bonito!
O sol se põe e o céu escurece
Quando ele fala: Já vou embora
E nessa hora, tudo se cala,
O universo inteirinho pára
Você o olha no horizonte e mais uma vez ele desaparece.
As lágrimas tornam a cair de seus olhos, um desespero bate em seu peito
Mas dessa vez é diferente, já bem cansada e experiente
Você repete: Não tem mais jeito!
Então você segue, mesmo sem ele:
Nunca mais, já me cansei, não quero mais, não morrerei
Embora só e com um coração vazio
você decide mesmo seguir e de repente, em meio ao nada
no fim da escada ou de uma calçada
Alguém lhe aparece: Oi, boa tarde! Eu já lhe vi
E você...Não! Com voz enérgica e insensível
E ele: Sim! Com um jeito triste e imprevisível: Já estive aqui.
Seu coração amolece, sua razão prevalece e você fala:
Por favor, saia! Deixe-me em paz...deixe minha vida, pra nunca mais!
Ele lhe olha com os olhos baixos, cheios de lágrimas e diz chorando:
Não faça assim, por tantas e tantas noites, procurei você
Em tantas horas tão frias, quis encontrar
Um certo alguém igual a mim
Venha comigo, não tenha medo
E outra vez, reascende o calor
Você esquece de tudo
Das formas que ele veio
Dos vários corpos
Das muitas caras
Com tantos nomes
Tudo então se confunde e você nem lembra
Que apesar de diferente
É para sempre
O mesmo alguém
...o tal do AMOR

6 comentários:

Isis Brandão disse...

E não é q é verdade?! Rs...
O amor invade, toma de conta... Cativa, cultiva e depois pede a conta... Vai, dá saudade e volta... Vem, acontece e fica... Arranca lágrima! Às vezes sufoca, às vezes suplica... Vira a página!
Mas não é o amor q faz da vida tão bonita?...
Um beijo!

Claudia disse...

Ale,

Embora ainda não tenha conseguido ler todos os seus poemas, dos que já li que foram vários, este sem sombra de dúvidas é o mais lindo, descreve de uma forma mágica um sentimento puro e belo. É o meu poema preferido.
Parabéns e que Deus sempre abençoe este seu dom de tornar em palavras sentimentos verdadeiros.
Beijos meu poeta predileto.

Luana disse...

É Alê..., lendo esse texto tive a impressão que no final iria dizer que a outra pessoa era a próprio protagonista, pois nos transformamos em diferentes pessoas no decorrer da vida e cada vez que percebemos isso é meio espantoso se deparar com uma nova realidade pessoal, novos sentimentos, um novo olhar pra si.
Lindo texto. beijos

Maria Bonita disse...

meu querido alê..

O amor tem dessas coisas, se é "ruim" com ele, pior sem ele.

Posso nao aparecer aqui sempre, quer dizer, comentar. mas sempre q posso, mas faço questão de fazer uma breve visita.

Depois me diga cm vc aos por menores, ok?

Beijão, depois apareço no msn

Ale (mestressan) disse...

Isis, bonita poesia!

Cláudia, grato por sua visita e seus comentários sempre bons...hehe

Luana, poderia ser tb...faz então uma comparação com o poema Espelho, onde um personagem se encontra com ele, ou com um amor...heheh...é tudo, no fundo uma mesma coisa.

Drica...legal vc aparecer! Bjos meus amigos

O Micróbio II disse...

Quando comecei a ler pareceu-me demasiado bucólico, mas conseguiste dar-lhe o ritmo necessário...