sexta-feira, abril 30, 2010

DOGMA (Ale - 29/04/2010)



Quando sou dia

busco a claridade da lua

Adormeço antes de contemplá-la


Quando sou noite

Almejo ver o sol

mas me desfaço

antes do amanhecer


Porém à tarde

Que não é noite

Tampouco dia

Não quero ser


Eis o mistério da fé

Da ciência

ou de qualquer filosofia


Eis enfim

A santíssima

Humanidade



10 comentários:

T@CITO/XANADU disse...

E, nesta busca do poema exato,
circunstanciamos o verso
com palavras mnsas...

Tácito

Carla disse...

mto bom

Mel disse...

profundo! gostei! =)
abs!

A Escafandrista disse...

gostei de todo o blog, principalmente o post sobre patativa. abraços.

Anônimo disse...

http://h2o-sos.blogspot.com/

Lais disse...

Interessante

Milla disse...

Parabéns pelo blog.
Ótimos poemas!

Cleo Borges disse...

ALE, ENTREI NO SEU BLOG ASSIM...DE CURIOSA. MAS QUE SURPRESA TIVE EU AO ME DEPARAR COM TANTAS SUTILEZAS EM PALAVRAS, QUE ADOÇAM A VIDA, OU MESMO O MOMENTO DE QUEM SE PERMITE ENTRAR NO SEU MUNDO DE PALAVRAS E SONHOS, DEVANEIOS E VERDADES, ESPERANAÇA E FÉ...
FIQUEI ASSIM... TOCADA POR ESTA SUAVIDADE E BELEZA DE SEU BLOG.
RECEBA MEU ABRAÇO DE FÉ E ESPERANÇA, CLÉO BORGES

Dani Sgorlon disse...

Adorei seus textos...
Estou seguindo seu blog
Depois dá uma passada no meu... http://danisgorlon.blogspot.com/
Novamente digo que adorei seus textos... muito Bons!! parabéns...

RAUL POUGH disse...

Jucá: tem recebido meus e-mails? Preciso te falar sobre o livro (antologia).