sexta-feira, junho 02, 2006

O Infindável (Ale-02/06/2006)


Antigas lutas! Guerras vencidas entre tantas batalhas perdidas
Talhar a mim mesmo. Para isso me servem as batalhas.
Foram tantas sob a cortina celeste.
Hora cinza; Hora azul, porém horas e horas e horas...
Longas e demoradas horas

Infindável, a vida se expande em abraços intensos
Idas e vindas...vindas e idas e vindas e vindas
Bem-vinda a vida
Bem-vindo o amor

Os sonhos? Estes são bálsamos
Não há guerra que os elimine,
Ou batalha que os destrua
Os sonhos são como os filhos
Sempre vivos dentro de cada coração sonhador

Há quem diga por aí que se destrói sonhos
Eu porém vos afirmo
Não há quem os elimine
Invencíveis e eternos eles são

Existem sim, sonhadores que abdicam de si mesmos
Em função das desilusões e sofrimentos
Porém há esperança,
a grande defesa da alma que sonha.

Sonho e esperança andam juntos
Eternos companheiros aliados
Incessantes, insistentes e presentes
Sempre! Sim, sempre vivos em cada um
Só é preciso a fé

Sonho, Esperança e Fé
Grandes soldados na luta e na lida
Todos aliados a nós
Instrumentos essenciais, na grande busca
A missão infinita e sagrada de amar

2 comentários:

אiℓcέia disse...

Linda poesia!
Afinal o que seria de nós se não fosse nossos sonhos pois são eles que nos fazem viver, mas sonhos sozinhos são só sonhos, tem que haver esperança e junto dela a fé, a perceverança e o amor que é essencial.
Com tudo isso junto só pode virar realidade!

Que Deus te ilumine sempre!

Pedro Campos disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.