quarta-feira, setembro 27, 2006

Alvorada (Ale - 27/09/2006)





Encontro-me
Novamente entre o espaço
que reluz da alma

Claro
Mas não em luminosidade

Vago, apenas!

Solto nos ares
Infinitos e azuis
Da vida mansa

Viajando em círculo
Dentro de mim

Percorrendo uma suavidade
Remota, talvez
Porém viva

A isso chamo
Renascer

Lavado pela vida
Dura vida dos sentimentos
Modeladores dos seres

Agora leve
Como água que escorre
No rio constante

Vida, clara
Vida doce,
Viva alma

Faz-me puro,
Límpido como uma gota
Do orvalho da madrugada

Faz-me vivo
Claro como uma luz
Dos olhos da alvorada

Vida rosa
Vida dourada

4 comentários:

Luana disse...

suave como o rosa e forte como o dourado...é bom sentir o poder das cores na nossa vida.

O Micróbio II disse...

O que interessa é que te encontres... :-)

Anônimo disse...

Você é muito especial!!!
suave e ao mesmo tempo forte,
Te adoro.

Ale (mestressan) disse...

Anônimo, grato por seu comentário! Posso saber quem é você?

Luana...suavidade esta que muitas vezes encontro em seu blog ;)

Carlos...você se mantém fiel aos acessos, hein? Grato amigo